64º Dia – Huaraz (Laguna Chinancoch​a – Campo Santo de Yungay)

Nada como uma boa noite de sono para recuperar as energias. O dia anterior tinha sido muito cansativo, principalmente porque as estradas por onde andamos eram muito esburacadas. Foram 3 horas na ida e 3 horas na volta dentro da van e buraco e mais buraco.

O passeio de hoje teve como objetivo principal a Laguna de Chinancocha que situa-se dentro do Parque Nacional Huascarán, mas antes paramos em Carhuaz. É uma cidade bem pequena, mas com diversas sorveterias. Pudemos provar sorvetes com frutas da região.

Vista da praça central de Carhuaz

Toda a região ao sul e ao norte de Huaraz é cortada por 2 cordilheiras: a Cordilheira Blanca e a Cordilheira Negra. Conforme as explicações da guia, a Cordilheira Blanca tem este nome não devido à neve que se acumula nos seus topos, mas devido ao tipo de rocha predominante, ou seja, rochas com minerais claros. Em contraponto, existe a Cordilheira Negra com camadas de sedimentos que dão a cor escurecida.

Pensamos que iríamos ter um passeio por uma estrada melhor hoje, mas os 25km que tivemos que percorrer até a entrada do Parque Nacional Huascarán foram montanha acima, com muitas curvas e buracos. O que compensou foi a paisagem com a visão dos Nevados Huascarán e Huandoy.

Ao chegarmos no parque para conhecer a Laguna Chinancocha, a primeira impressão que se tem é de espanto. Espanto com tamanha beleza.

Tínhamos a opção de fazer uma navegação com um pequeno barco pela laguna, mas preferimos caminhar por uma das laterais da laguna para podermos tirar fotos, não somente da laguna como da vegetação também.

Laguna Chinancocha
Laguna Chinancocha
Laguna Chinancocha
Flores no P. N. de de Huascarán
Flores no P. N. de de Huascarán
Flores no P. N. de de Huascarán (macela)
Flores no P. N. de de Huascarán

Logo na saída do parque, paramos para almoçar num restaurante campestre antes de começar a descida da montanha.

Nossa próxima parada foi em Caraz, lugar conhecido pelo “manjar blanco” que nada mais é do que o doce de leite. Experimentamos uma espécie de alfajor artesanal que é uma delícia, mas, em relação ao doce de leite em si, o uruguaio continua imbatível para o nosso gosto.

A nossa última parada do dia foi no chamado “Campo Santo” – lugar onde foi sepultada a antiga cidade de Yungay em 31/05/1970 devido à um terremoto seguido pela avalanche de neve do Nevado Huascarán. Neste dia, somente se salvaram as pessoas que estavam no cemitério e crianças que estavam num circo, ambos localizados em partes altas da antiga cidade.

“Campo Santo” – Yungay
Nevado de Huascarán às 17:00

Estávamos no final da tarde, portanto o Nevado de Huascarán apresentava-se imponente com cores diversas do pôr-do-sol a cada minuto que passava.

Nevado de Huascarán às 18:00

Voltamos para Huaraz e novamente jantamos no hotel.

1 comentário em “64º Dia – Huaraz (Laguna Chinancoch​a – Campo Santo de Yungay)”

  1. Claudio e Sandra. Bela viagem hein?

    Lembram da gente? Fomos juntos a Tiwanaku e depois nos reencontramos em Copa! Voltamos de viagem dia 29 de maio e acabamos demorando um pouquinho para visitar o blog, pois sabe como é retorno de férias… Quanto a nossa trip, depois de Copacabana, seguimos rumo ao Chile para posteriormente retornar à Bolívia por San Pedro e Uyuni. Deu tudo certo. A noite na laguna colorada foi pra matar… hehehe. Mas o visual compensou qualquer aperto.

    Um grande abraço para vocês. Lembrem-se que se passarem por Joinville, avisem para nos reencontrarmos e falarmos da viagem.

    Até!
    Marcelo e Melissa

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *