43º Dia – em trânsito para Calama – San Pedro de Atacama

Conseguimos dormir um pouco à noite. Às 5:00, o ônibus fez uma parada em Antofagasta que está no nível do mar. Estava muito escuro ainda. Chegamos em Calama às 8:45 após 23 horas de viagem. Calama está à 2300m de altitude.

Monumento na entrada de Calama

Às 9:45, já estávamos embarcando para San Pedro de Atacama em outro ônibus.

Paisagem de Calama para San Pedro de Atacama

Chegamos no nosso destino por volta das 11:00. San Pedro de Atacama é uma cidade pequena com aproximadamente 2000 habitantes, situada à 2500m de altitude. Muito rústica, mas com pontos charmosos. A rua Caracoles cruza toda a cidade e é considerada a principal.

Vista da rua Caracoles
Vista da rua Tocopilla

A acomodação é bem cara. Paga-se mais e recebe-se menos benefícios. Demoramos um pouco até encontrar um lugar que gostássemos. Por volta das 13:45, nos instalamos no “Hotel La Cochera”. Ele é todo em cabanas.

Como tínhamos passado um dia apenas comendo frutas secas e frescas e bolachas, pois o ônibus não fez nenhuma parada longa o suficiente para fazermos uma refeição, estávamos com fome de comer algo substancioso. Pegamos uma indicação no hotel e fomos no “Restaurat Sol Inti” (Tocopilla, 130). Gostamos bastante – dica quente.

Uma vez almoçados, fomos pesquisar os passeios da região. São muitas as agências e todas fazem os mesmos passeios pelos mesmos preços basicamente. Optamos pela “Turismo Layana” (Tocopilla, 429-B), pois eles faziam pacotes com 3 passeios diferentes com um preço promocional, mais vantajoso.

Reservamos o primeiro passeio para hoje mesmo, pois sairia às 16:00. Somente fomos buscar roupa de banho e toalha no hotel e voltamos para a agência para esperar a van.

O passeio de hoje foi para a Laguna Cejar distante à 28km de San Pedro de Atacama. Esta laguna tem uma cor verde turquesa e possui uma alta concentração de sal que faz com que se flutue, não consegue-se afundar nem querendo. O sol estava bem quente, mas a água estava fria. O Claudio conseguiu ir um pouco mais fundo, mas a Sandra, mais friorenta, ficou no rasinho. De qualquer forma, depois de secas, as roupas de banho ficaram acartonadas de tanto sal concentrado, apesar do guia levar um galão de água doce basicamente para tirar o sal dos braços e pernas.

Laguna Cejar
Laguna Cejar

Visitamos ainda o Ojos del Salar que são 2 poções profundos de água menos salgada que do resto do salar.

Ojos del Salar

O passeio é finalizado na Laguna Tebinquiche com o por-do-sol e com um happy hour trazido pelo guia que incluiu pisco sauer, refrigerante e salgadinhos.

Laguna Tebinquiche
Laguna Tebinquiche
Laguna Tebinquiche

Chegamos em San Pedro de Atacama por volta das 20:30. Comemos um lanche no centro e fomos dormir, pois teríamos que madrugar literalmente no dia seguinte.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *